quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Redes sociais X Trabalho

Cada coisa precisa ter seu tempo e espaço ou corremos o risco de vivermos com uma sensação de frustração cada dia maior, pois saímos do trabalho com a sensação de que não fizemos o que precisava (porque temos que manter a rede aberta e ela nos distrai com assuntos pessoais) e que não paramos de trabalhar nunca porque ele nos acompanha - e permitimo-lhe tudo!


Tempo

Lembro que quando mais nova me sentia muito importante, para mim não havia dia ou hora, foi minha escolha: trabalhava 24 horas se possível - e quando preciso foi, o fiz. O fiz e percebi o quanto era massacrante, esmagador. Assim decidi que não queria mais aquela vida. Mas mudar não é fácil...

Desde então percebo cada vez mais o quanto é também desrespeitoso com nós mesmos essa atitude, com nosso corpo físico e nossa subjetividade, pois nossa riqueza reside na nossa diversidade! Não somos robô. Temos talento para ser bons em muitas coisas - e precisamos! Porque uma vida equilibrada é além de mais saudável, mais saborosa, rica em nutrientes essenciais para a Felicidade!

Agora quando vejo as pessoas enviando mensagens sobre trabalho aos domingos, noite, madrugada, lamento, pois sinto que muitas vezes não é pela necessidade do trabalho, mas do sentir-se importante. Cada coisa precisa ter seu tempo.



Espaço

Choquei quando li esses tempos uma pessoa perguntar se preferia que um arquivo (importante!) fosse enviado pelo facebook ou whatsaap! Por mais que a rede possibilite o envio, há coisas que tem que ir para o e-mail, pois a rede é dinâmica, a coisa se perde e depois encontrá-las nos fará perder tempo, logo, não pode ser o mais adequado.

E se a maioria passou a fazer isso, enquanto educadora, por mais que deva me aproximar da linguagem que o outro usa, pelo nosso bem, também não posso me refutar a fazer esta ressalva:

Cada meio tem suas vantagens e desvantagens, cabe a nós nos perguntarmos se estamos escolhendo o mais adequado para o assunto. Isso é profissionalismo. Lembrando que há uma rede social apropriada para a vida profissional: o Linkedin. Cada coisa precisa ter seu espaço.


Retângulo no quadrado

Claro que não significa que NÃO-NUNCA-JAMAIS, podemos fazer exceções, afinal, não somos quadrados, somos tudo-junto-e-misturado, complexos, humanos. O que não podemos é permitir que as exceções virem regra, a menos que sejam benéficas para nós, o que não me parece ser o caso.

Aliás, de minha parte, posso dizer que encontrar um e-mail pessoal em meio aos e-mails é como encontrar um chocolate no palheiro - alegra! E certamente darei mais atenção do que no whatsapp, que muitas vezes, se não tomo cuidado, me leva o tempo embora - e com muito pouca substância.

Enfim, precisamos usar a internet a nosso favor! Fica aqui meu apelo para essa reflexão! 😉


Um e-mail, por favor!

Mas minha questão não é tanto por onde responder, mas há 3 coisas que me fazem preferir o email:
Quero meus e-mails de volta!

Abro minha caixa de entrada e cada vez mais chegam apenas propaganda e e-mails institucionais.

Por outro lado, quando abro as tais "redes sociais" (whatsapp e facebook), tenho centenas de mensagens que mal dou conta de acompanhar, no meio há de tudo: assuntos pessoas e profissionais, coisas nada a ver e coisas interessantes. - e se fosse olhar tudo, tudo, certamente, não faria mais nada!

Mas enquanto muita gente se maravilha com o poder das redes sociais, faço aqui meu apelo para que voltemos ao bom e velho e-mail, elenco aqui os motivos mais básicos:

1. Vira um material fácil de ser localizado com uma simples busca, evitando retrabalhos.

2. O e-mail possibilita marcar as mensagens importantes e categorizá-las.

3. Não ocupa a memória pessoal tendo que lembrar que entre as dezenas de mensagens que entram e saem há alguma que não pode deixar de ser respondida. - às vezes uso a "técnica" de não abrir para que me chame a atenção, mas nem sempre dá certo.

4. Percebo que o trabalho está invadindo nossos espaços de convívio pessoal (mesmo que digital) e precisamos impor-lhe limites - e se gostamos muito, então, impor-nos limite.


[continua...]

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Inspirar e inspirar-se


Ao lado de onde trabalho se estabeleceram algumas pessoas em situação de rua. Ficam ali alguns colchões e uma carroça próxima. Há uns dias fotografei os cachorros ali. Ontem ao sair vi um casal dormindo abraçados numa "suave conchinha" e dormindo lindamente!

Fiquei tão encantada com a cena que outra pessoa dali me abordou pedindo para pagar comida (do caminho de casa até o trabalho e vice-versa são inúmeros os pedidos, se você não parecer firme e determinado, não chega a lugar algum e fica mais sem dinheiro do que já estava).



No dia anterior, a emoção ali era por conta de um vendedor de pipocas que a polícia abordava decidindo apreender seu carrinho. Fiquei sem saber o que fazer. Buscava uma ideia. Se houvesse algo sério acontecendo por perto que tivessem que socorrer... nada. Entrei num sebo para poder acompanhar de longe e no lugar de me ocorrer uma idéia, um livro me encontrou e decidi comprá-lo.

Quase chegando em casa, outro casal em situação de rua, deitados no chão de barriga pra cima, com as cabeças juntinhas, olhavam um livro que ela lia. - E como queria saber desenhar para poder compartilhar aquela imagem que por instantes me capturou!

Cheguei em casa e a lua crescente já começava a querer brilhar, mas o sol ainda clareava bem. Pendurei minha rede na varanda, peguei o livro que havia comprado no sebo no dia anterior e, inspirada pelo casal, fiquei me deliciando com a leitura e aquele momento único. Escureceu, namorei um pouco o brilho da lua se intensificando e fui tocar minhas coisas.

Ler é um prazer com que sonho há muito, porque há anos coloco o que tenho obrigação de ler na frente, e com isso, acabo não lendo nada. Como este ano pretendo ser mais gentil comigo, espero muito conseguir salvar tempos assim, pra ler e mais nada! =)
...
... ...

Essa história me remeteu a uma situação na semana anterior em Teresópolis, onde me diziam que era impossível a criança que chegara ficar 2 minutos quieta - isso porque havia dito que ia meditar uns minutos de frente para o Dedo de Deus. Devo ter ficado entre 20 e 30 minutos ali. Depois do almoço, para a surpresa de todos, eis que a pequena se senta na mesma posição na frente para o monumentoso por vários minutos!



Dois dias depois minha mãe envia um vídeo do meu padastro tomando banho de chuva - coisa que tenho imenso prazer de fazer... não tive sucesso desta vez, minha mãe me fez entrar, mas tentei! rs

Fiquei pensando que mais do que tentar convencer os outros de que algo é bom, se houver oportunidade, simplesmente fazer o que sente vontade, por inteiro, sem pretensões, pode ter um resultado muitíssimo maior!

E ambas situações me agradaram tanto o coração! Para 2017: Inspirar e inspirar-se! Que tal? ;)

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Triste, tão triste

"Porque será que existe, o que quer que seja?
Sinto o peito vazio e ainda assim, farto.
Estou triste, tão triste..."



Hoje trabalho onde queria e com o que acredito, me realizo! ...no entanto, estou triste, tão triste.
Hoje mais uma vez, não consegui cumprir com o combinado comigo: saí cedo e votei noite, mas com a pura e simples diferença de ter me dado conta de que amo o que faço, mas vivo esgotada.

Não tenho tempo, muito menos disposição, para cuidar de mim, da minha casa, da minha vida.

Dia destes tive tão forte pra mim que não quero mais essa vida de só trabalhar que dois dias depois quis voltar para o trabalho de noite e o universo parecia conspirar totalmente contra. Entendi. Decidi desistir e relaxar, mas no fundo, não relaxei e ainda me lasquei no dia seguinte.

O que penso geralmente é: “amanha vou chegar mais cedo em casa” de modo que dará tempo de descansar e ainda colocar algo em ordem. No entanto... essa utopia acaba muitas vezes ficando para outro futuro, e especificamente hoje, me senti vencida.

Senti que vencer o vício do trabalho pode ser mera ilusão, que sempre haverá mais um “estado de exceção”, ou o mais brando e recorrente: mais uma semana atípica.

E nem sei como tenho coragem de estar reclamando, sendo que estou com apenas um trabalho, em outros tempos eram ao menos dois ou três.
...
A militância me exaure. Mas como me dar ao luxo de não militar, em tempos tão.., temerosos? Aliás, na verdade ainda me pesa a consciência porque só tenho militado na minha atuação.

Na teoria é fácil reconhecer que às vezes é preciso dizer não, mas na prática, perder o hábito é uma luta – que nem sempre temos energia pra travar.

O que fazer então? Não sei. Hoje não quero mais nada. Meu maior sonho tem sido poder dormir um pouco mais... ainda que confesso, vez ou outra me pego desejando um milagre pra terminar meu mestrado.

Mas o que mais me angustia, talvez seja o fato de perceber que tenho aprendido e vivenciado muitas coisas que queria demais compartilhar, ensinar, multiplicar... até pra ver se registro e aprendo mesmo! rs... Só que os homens cinzentos além de surrupiarem nosso tempo, parece que agora também retiram nossa energia.



Hoje, só quero curar essa dor de cabeça e mais nada, Nada, NADA!

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Porque temos que decidir com a razão e o coração


Na última semana postei sobre os candidatos que conheço e admiro e gostaria muito que todos entrassem! Faço questão de compartilhar vários porque é uma decisão que só cabe a cada um.

Indiquei um candidato a uma amiga e ela me respondeu: mas este ano quero votar numa mulher. Tem parte de razão porque incomoda conhecer os números e continuar perpetuando a maioria esmagadora de homens eleitos, mas percebi que tinha sentimento também, que precisa ser respeitado.

Falei da Luiza Coppieters, do PSOL, mas depois fiquei pensando sobre isso... indiquei 6 candidat@s, sendo que só uma mulher - e que era formalmente homem até poucos anos.

Bom, pra equilibrar o jogo, ou melhor, minimizar o desequilíbrio, decidi incluir mais uma mulher nesta preciosa lista. Não acompanho sua trajetória, mas me impressionou positivamente como conduziu e apoiou a luta pela inclusão da questão de gênero na escola - infelizmente derrotada.

Também lembrei de um texto que li do Adriano Diogo contando desse processo, de uma sensibilidade e franqueza (reconhecendo certas fraquezas do próprio partido), que ficou reverberando aqui dentro:

Juliana
um sonho
uma utopia

Pensando nisso, fui perguntar pra uma amiga ativista que acompanhou bem de perto toda essa luta (mas apoiando agora Erundina e Muna) e para minha surpresa boa, a resposta dela foi empolgante!

"Sou super fã Juliana Cardoso, a equipe dela é maravilhosa! Pode recomendar sem pestanejar"

Então, vai aí minha última dica pra vereança: Juliana Cardoso, nº 13222. http://julianacardosopt.com.br

E minha listinha ficou assim:
  1. Nabil Bonduki, 13633
  2. Simão Pedro, 13134
  3. Suplicy, 13131
  4. Juliana Cardoso, 13222
  5. Luiza Coppieters, 50222
  6. Douglas Belchior, 50075
  7. Pedro Markun, 18007!


Afinal, sete é um número cabalístico! =)

Mas faço um apelo básico: não deixe de procurar o que foi feito, o que se defende ou pretende fazer, pergunte se houver dúvida e... sim, SINTA!


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Mensagem: tudo que é bom, são 3!

Há alguns meses, quando fui questionada sobre quem apoiaria para vereador, respondi de imediato: este ano vou ficar declaradamente em cima do muro. - Não, não é uma estratégia, porque se fosse, não seria inteligente, mas foi o mais verdadeiro em mim.

Explico: trabalho na Prefeitura de São Paulo há anos e na gestão Haddad tive oportunidade de atuar em 3 secretarias, todas com um diferencial: os secretários eram da Mensagem ao Partido – corrente do PT que se posicionou contrária a via de conluios e acordos pela qual alguns partidários optaram.

Estive nas Secretarias de Serviços com o ex-deputado Simão Pedro, em Direitos Humanos e Cidadania nos tempos do ex-senador Eduardo Suplicy e na Cultura com o vereador Nabil Bonduki. Não assessorei diretamente nenhum dos três, mas passei a admirá-los ainda mais. E por quê?

O Nabil era e é um excelente vereador e inovou enquanto Secretário de Cultura com inicitiavas como o Cinema nos CEUs e o Carnaval de Rua, além de ser criador da Lei de Valorização de Iniciativas Culturais que já beneficiou mais de 1.000 projetos das periferias - e que dá impulso a efervescência cultural destas. Também é autor do PL que institui a merenda orgânica nas escolas e se empenhou na construção de um Plano Diretor humaniador! É urbanista e tem um olhar especial e diferenciado para a SP, com propostas para todas as áreas! Voto que vale: Nabil Bonduki, nº 13633! ;) http://www.nabil.org.br/propostas



Já nosso ex-senador sempre me surpreendeu por estar presente nas mais variadas lutas, sempre disposto a usar seu prestigio para abrir a via do diálogo, mediando conflitos. Muita gente considera que já está eleito, pois tem muito carisma e muitos seguidores na internet. Em todo caso, se quiser votar ou indicar um ser íntegro, exemplo de político, de perseverança, fé e luta com Amor: Eduardo Suplicy, nº 13131http://eduardosuplicy.com.br


E nosso ex-deputado não fica muito atrás não, com carisma e sensibilidade às causas sociais e ambientais, cumpriu seu papel muito bem, investiu na universaliação da coleta seletiva, praças digitais, fab-labs, iluminação de led... e procurando sempre atentar para as periferias! Portanto, fecho com mais essa preciosa dica: Simão Pedro, 13134http://www.simaopedro.com.br

Muita gente pensa que sou petista rocha, sou não. Já votei PSOL, PSB, PPS, PV, pois é... mas meu coração é vermelho e este ano vou de 13!

Tenho admiração e respeito pelos outros candidatos indicados, mas penso que é importante fortalecer estes do PT para garantir uma bancada mais sensível a nossas causas, comprometida e de mente aberta! o/

E com os 3 candidatos da Mensagem na Câmara, certamente vai ter luta, debate, boas propostas, vai dar gosto! Como diria o ditado alemão: Tudo que é bom, São 3!!!

No entanto... pra este ideal se realizar, temos que e indicá-los para os muitos que ainda não sabem em quem votar, pois só nossa cidadania ativa pode provocar mudanças efetivas - para o bem! ;)

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Expresso 2222 - candidatos pra depois do ano 2000... ou pra aqui e agora!?

A semana passada a enxaqueca predominou e me dei conta de que o fator eleição estava me preocupando um tanto. Trabalho na prefeitura há mais de 10 anos, fiz Sociologia e Política, sei o quanto nossas vidas podem ser impactadas pela política, para o bem e para o mal – e o quanto a Câmara dos vereadores pode influir nisso tudo! ...O que fazer?


Tanta gente sem um candidato a vereador e eu com um monte! Nada mais justo que compartilhar. A minha primeira dica foi para quem não vota na esquerda, esta é para quem só vota na esquerda – e considera que o PT está com um pé fora demais dela.

Falo de 2 candidatos do PSOL que defendem 2 bandeiras que me tocam muito, pois tratam das 2 populações mais vulneráveis da cidade: Negros e LGBTs.

Nossos pretos estão sendo julgados e executados todos os dias nas periferias, parece um discurso panfletário, mas infelizmente temos muitos estudos que o comprovam. Não vou colocar aqui pra não me alongar, mas se quiser saber mais, é só pedir. Fato é que são maioria, e logo, precisam ter mais representatividade, quantos por cento de qualquer bancada é preta? Corresponde a nossa realidade? Dificilmente não?

Pois bem, um belo dia estava fazendo um curso de Formação Jurídica e Política pela UNEAFRO e com este grupo fui parar na Escola do MST Florestan Fernandes, lá pude assistir uma aula com um professor relativamente novo de profundo brilho nos olhos e forte conhecimento de causa, era o Douglas, que não conhecia, mas encontrei inúmeras outras vezes na luta. Se essa também é sua LUTA, sugiro procurar saber mais desse figura sobre o Douglas Bechior, nº 50075! o/ www.facebook.com/negrobelchior

Passam-se os anos e outra pessoa de mesma profissão, antes professor, agora professora, me impressiona: uma coragem, beleza, certeza e profundidade comovedoras. Certeira. Lucidez e clareza. E para nossa surpresa, uma transexual lésbica, sim, porque não? Falamos que ela personifica a questão de LGBT, tanto de orientação, quanto de identidade de gênero, que até outro dia não sabia: são questões distintas (procura que ela explica! rs).

O que dá pra dizer em poucas palavras aqui: o Brasil é ranking nº 01 em homofobia no MUNDO! O que significa dizer que há centenas de pessoas que morrem pura e simplesmente por desejar ser diferente ou por amar uma pessoa ‘igual’. Logo, é inegável que precisamos muito ter gente lutando e defendendo a causa de pessoas que, para além de tudo, ou são privadas do amor ou se deparam com quem queira privá-las do direito de amar. E para tanto, minha sugestão é essa professora de alta capacidade argumentativa (filósofa!), guerreira e extremamente amável: Luiza Coppieters, nº 50222!

Uma coincidência curiosa, desavisados: o número do Douglas já foi 50222, mas quando candidato a vereança por Poá. Pay ateccion! Ou não, porque daí vota na Luiza, tudo certo! Rsrs... ;)

Isso me remete uma música e a um preto lindo, orgulho puro, que felizmente escapou das nossas estatísticas (pra pegar leve), e nos presenteou com seu talento e amor. 




Por mais luta-amor pra SP!
E se não cheguei no seu candidato ainda, amanhã tem mais!!! <3 o:p="">